sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Barbra Streisand - Partners

Não é o primeiro disco de duetos que a Barbra Streisand faz, e seis das músicas deste álbum já apareceram em trabalhos anteriores, algumas interpretadas com parcerias diferentes (como What Kind Of Fool que ficou famosa na parceria original com Barry Gibb e aqui rendeu um dueto tocante com John Legend). Mas isso não tira o brilho do lançamento.

People vai pegar muita gente de surpresa - a parceria com Stevie Wonder resultou lindíssima e carrega a mensagem que permeia o álbum de colaborações ("people who need people are the luckiest people in the world"). O dueto póstumo com Elvis Presley em Love Me Tender certamente vai arrancar alguns suspiros. E a parceria com Babyface em Evergreen resultou ainda melhor do que eu estava esperando - e olha que a expectativa era alta. O encontro com Billy Joel em New York State of Mind também é uma grata surpresa.



quarta-feira, 10 de setembro de 2014

E viveram felizes para sempre...


O carioca Henrique Mollica se casou legalmente com Giulio Durini di Monza há cerca de um mês. Giulio Durini é da família real italiana e detém os títulos de príncipe, marquês, barão e conde - que agora compartilha com o maridão brasileiro.

Se você ainda não encontrou seu príncipe encantado, não desanime. Mas tome muito cuidado com as bruxas e as maçãs envenenadas pelo caminho.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Telefone esperto


E a Apple apresentou hoje o aguardado iPhone 6. Em duas palavras: não impressionou.

Adoro os produtos da Apple, acho o iPod uma das melhores invenções do mundo, o meu smartphone é um iPhone, mas...

Depois dos últimos lançamentos em dispositivos móveis da Samsung, Sony, e LG na Feira de Berlim na semana passada, a gente percebe a falta que faz Steve Jobs. A Apple, que revolucionou o mundo dos smartphones com o iPhone em 2007 e determinou a cara que todo celular teria dali para a frente, foi atropelada e hoje está dois ou três anos atrás da concorrência.

O iPhone 6 tem melhor câmera, melhor processador, e melhor tela que os iPhones anteriores, mas estas melhorias são naturais e esperadas em todo lançamento. A maior novidade do novo iPhone é o tamanho grande (com telas de 4,7 e 5,5 polegadas) mas a concorrência já faz telas destes tamanhos há alguns anos, tendo inclusivo sido alvo de piadas por parte da Apple que achava que as telas grandes não teriam aceitação do público. Tiveram que baixar a cabeça e copiar a concorrência.

Quantidade de megapixels não é sinônimo de qualidade, mas é sinônimo de tamanho - o que é extremamente importante em câmeras de smartphones que, via de regra, não têm muito zoom óptico pela própria limitação do espaço. A Apple anuncia com estardalhaço que a câmera do iPhone 6 passou para 8 megapixels - ora, a Sony já está em 20,5 megapixels, o Samsung K zoom tem 20 Mpixels e o Galaxy S5 tem 16 MP.

Apple Pay? Talvez pegue, talvez não, mas para os brasileiros não vai ter nenhuma grande utilidade nos próximos dois anos - quando você já estará pensando em trocar de telefone de novo.

Apple Watch? Ficou completamente apagado perto do Samsung Gear, que já está no mercado desde o ano passado e portanto já passou por grandes melhorias. O modelo da Samsung lançado na semana passada (o Gear S), por exemplo, já é a segunda geração e funciona com chip próprio e não depende do telefone - você pode sair de casa só com ele, sem o telefone, e receber e fazer chamadas.

E, por fim, a Apple está pouco ligando para o Brasil. Ninguém sabe quando o iPhone 6 chegará por aqui. Já o presidente da Samsung anunciou que o Brasil é prioridade para a empresa e o Galaxy Note 4 anunciado na semana passada estará à venda no Brasil em outubro - o Brasil integra o primeiro lote mundial de vendas. Ah, e a Siri da Apple ainda não fala ou entende português. Já a S Voice do Samsung entende perfeitamente recados de voz como "ligar para Marcela no celular", "programar despertador para as 6 horas da manhã", "abrir facebook", ou "ligar para 9966-8485" (falar com o telefone nunca é muito normal, mas quando se está dirigindo é, literalmente, uma mão na roda!).

Quem tem contato com a funcionalidade multitarefa em tela dividida da linha Samsung Galaxy Note ou com a luminosidade das telas Amoled fica se questionando: por que a Apple não faz assim?

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Vivian Boyack e Alice Dubes


Já lhe aconteceu de estar lendo as notícias do jornal despretensiosamente, e de repente deparar com algo que lhe reforça a crença no amor e na cumplicidade que duas pessoas podem desenvolver no decorrer de uma vida conjunta? E, assim de repente, no meio de uma tarde ensolarada, ficar com os olhos marejados...

Aconteceu comigo agora lendo esta história linda destas duas mulheres que resolveram se casar depois de mais de 70 anos juntas.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Espelho, espelho meu

Depois de dezenas de ensaios mostrando as princesas Disney nas mais variadas situações, chegou a hora de se matar a curiosidade sobre as varinhas de condão dos príncipes dos contos de fadas. E antes de me corrigir dizendo que príncipe não tem varinha de condão, dê uma olhada nas ilustrações feitas pelo pessoal do estúdio Jezebel.

O ensaio focou exatamente na concepção de como seria o pinto dos personagens mais gatinhos dos contos Disney. Ficar imaginando como deve ser o pinto de alguém... quem nunca?

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Ben e Daniel

Se você já estava com saudades de compartilhar a felicidade estampada no rosto de noivos apaixonados dividindo a alegria com parentes e amigos em um dia especial então você vai adorar este vídeo do casamento do Ben e do Daniel. Quem poderia imaginar que uma cerimônia no meio da Natureza e das montanhas resultaria tão bonita? E como não chorar no discurso da mãe do noivo?

sábado, 9 de agosto de 2014

Pai

Foi numa quarta-feira, há algumas semanas. Era um dia de sol, passava das 10 da manhã e eu estava regando as plantas da varanda. Aproximei-me do ficus já pressentindo o cheiro gostoso de terra que costuma subir das raízes, quando meus olhos cruzaram por um breve instante com a foto sobre a estante. E, assim de repente e sem nenhum aviso, me veio a inexorável realização de que meu pai não vai voltar nunca mais.

Fiquei por um instante imóvel. Senti as pernas falharem. Fui me abaixando lentamente e me sentei no tapete num canto da sala. Senti o peso de uma viga de cimento na cabeça e uma dor lancinante no coração.

Meu pai falecera em dezembro, na semana do Natal. Foram dias de providências, viagem, pouco sono, muita adrenalina. A inquietude do sobressalto é seguida de uma tristeza profunda que provoca uma sensação de serenidade e calma quase reconfortantes. Apoiei-me no consolo de que meu pai teve uma vida longa e plena, e uma morte digna. Mas nada me preparara para a saudade que vem com o tempo e que chega sem sobreaviso.

Eu ainda trago na carteira o cartão de agendamento das consultas médicas, às quais íamos sempre juntos. E quando passo em frente da casa eu muitas vezes me pego olhando sem pensar para o banco do jardim esperando vê-lo sentado observando o movimento da rua. A dor da perda vai se tornando em saudade boa, mas alguns dias ainda são mais difíceis que outros.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Pai na roda

Em tempo para o dia dos pais, o Põe na Roda lançou ontem esta versão super bacana de pais falando sobre filhos gays. O mais interessante é que todo mundo já viu mães falando de seus filhos, e muita gente cresce com a ideia de que as mães aceitam com mais facilidade que os pais. Ver pais falando de seus filhos é muito mais raro. E emocionante.